quinta-feira, 19 de maio de 2011

POESIA MODERNA



   Condorcet Aranha


Lá se vão fugindo as rimas e também o tempo forte,
O tal ritmo se impõe, nos textos à minha frente,
Espero que o classicismo, não caminhe para a morte,
Pois vive na minha mente e, pretendo, eternamente.

As expressões mais modernas, os novos termos da língua,
Não venham transfigurar a nossa ortografia.
Que a gramática pungente, dos versos não se extinga,
Pra não perdermos o ontem e o amanhã, num outro dia.

Vou marchando com palavras, na curta estrada da vida,
Construindo poesias, segundo meus sentimentos,
Fazendo alguns seguidores, em cada página lida
E vivendo as alegrias em alguns desses momentos.

Mas seguirei escrevendo, com minha percepção,
As cenas que vejo à frente, a cada dia que passa,
Respaldadas pelo amor, que tenho no coração,
Embora que até por vezes, se abstenham de graça.

Nem tudo na vida é belo, nem toda a cena fascina,
Nem toda mulher é bela, como foi quando menina.
No peito de todo homem, um coração bate firme,
Que o levará para o céu ou para o mundo do crime.

Importante é discernir e entender a cada cena,
Seja moderna ou antiga, numa análise serena,
Pra tudo existe razão, embora não justifique,
Mas entender é preciso, para que omisso não fique.

Como hão de perceber, nas quadras que escrevi,
Não consegui desprender-me da força de minha sina,
Se até fugir da tal métrica, por vezes eu consegui,
Não fui capaz de esconder, numa quadra, minha rima.

4 comentários:

  1. VALEU CONDORCET. PASSEI POR AQUI. MEU ABRAÇO. CABRAL

    ResponderExcluir
  2. Stela Castelo Branco Severoterça-feira, agosto 02, 2011

    Lindo, Condorcet, adorei e deixo aqui um grande abraço Stela

    ResponderExcluir
  3. O antigo embate entre a bem formada ortodoxia que se fundamenta na lavra e no trabalho e aqueles outros que só querem ter a inspiração. Os versos livres, brancos, também são belos se constituirem boa poesia, e nenhuma poesia é bela, livre ou metrificada e rimada, se não for boa poesia. Há espaço para toda a boa criação. E não deve haver o preconceito contra uma ou outra forma de poesia. A arte é libertária mas não basta derrubar cânones para qualquer coisa virar arte. Muitas vezes a rima, a métrica, a sonoridade e o rítmo escondem em "poesia perfeita" um poema ruim por não dizer nada e por ser vazio de idéias e de sentimntos. Parabéns pelo belo poema.
    abraços.
    Marco Bastos.

    ResponderExcluir